Power Rangers: Dino Trovão | Cultura americana x japonesa: Mais ligadas do que pensamos


Logo da série Power Rangers: Dino TrovãoA franquia de séries Power Rangers surgiu nos Estados Unidos em 1993, com a produção da Saban Entertainment. Atualmente, ainda em exibição em vários países – entre eles o Brasil –, encontra-se em sua 18ª temporada.

Cada uma delas adapta uma série japonesa da franquia Super Sentai, produzida pela Toei Company. A temática também é praticamente a mesma: um grupo – quase sempre – de cinco heróis é reunido para combater um inimigo, que lidera um grupo de monstros, com o objetivo de destruir/conquistar a Terra.

A Observação a seguir pretende abordar o capítulo Achados e Perdidos na Tradução de POWER RANGERS: DINO TROVÃO em que ocorre uma quebra no paradigma da franquia e chega até mesmo a nos fazer refletir sobre a obra em si.

A FASE DOS DINOSSAUROS

Promo de Power Rangers: Dino TrovãoPower Rangers: Dino Trovão foi a 12ª temporada da franquia, exibida originalmente nos Estados Unidos em 2004. No Brasil, o extinto canal Jetix apresentou a série em 2005, a Globo em 2007 e, posteriormente, a Band em 2011.

No começo da história, Dr. Tommy Oliver – mais conhecido como Ranger Verde e Branco da primeira fase dos Power Rangers, a Mighty Morphin, e como Ranger Vermelho em Zeo e na primeira metade de Turbo – está em uma ilha sendo atacado por monstros, mas consegue fugir para a Costa dos Arrecifes (em inglês, Reefside, Califórnia). Lá consegue o cargo de professor de Ciências.

Certo dia, a diretora do colégio manda três alunos para ficar com ele em uma visita ao museu: Conner McKnight, Ethan James e Kira Ford. O local, entretanto, está fechado e Tommy pede para os três estudantes passearem pela floresta. Sozinho, ele acaba atacado por um tiranossauro, mas consegue derrotá-lo e descobre que seu algoz é na verdade um robô.

Já os três caem em um buraco no meio da floresta e descobrem uma passagem secreta que leva a uma caverna, onde se deparam com misteriosas pedras. Depois eles se encontram com Dr. Oliver e são levados de volta ao colégio.

Tommy Oliver, personagem das séries Power Rangers
Tommy Oliver em Power Rangers Mighty Morphin e em
Dino Trovão
Kira acaba capturada no dia seguinte por monstros, que se apresentam como Tirano Zangões. Conner e Ethan contam ao professor o ocorrido. Ele decide levá-los a sua casa, mas antes de conseguirem chegar, Kira cai em cima do carro de Dr. Oliver. Ela explica que usou um portal para fugir da base de Mesogog, o líder dos Tiranos Zangões. Junto com a moça surge Zeltrax, um dos comparsas do vilão, que os ataca. Os heróis conseguem detê-los.

No outro dia, a cidade começa a escurecer, e Mesogog manda os Dino Zords – são eles: Zord Tiranossauro, Zord Tricerátopes e Zord Pterodáctilo – para atacarem a Costa dos Arrecifes. Os heróis vão até o local, mas antes Dr. Oliver dá a eles os Dino Morfadores, com os quais eles se transformam nos Power Rangers: Dino Trovão. Eles conseguem deter os inimigos e controlar os Zords, levando-os para o lado do bem.

Cena da série Power Rangers: Dino Trovão
Conner, Kira e Ethan, os principais Rangers da série
Na continuidade da história, o grupo enfrentará diversas batalhas para deter Mesogog. Dois novos rangers surgem durante a temporada: o primeiro é o próprio Dr. Tommy, que adquire seu poder ao roubar a dino pedra preta do vilão, e o outro é Trent Mercer, amigo dos heróis, mas que é primeiramente dominado pela dino pedra branca e atua pelo lado de Mesogog. Depois que sua parte maligna é retirada entra em definitivo para os Power Rangers. Além da ajuda de Hayley, a dona da lanchonete local, que fica na base para ajudar os heróis.

19º EPISÓDIO

Intitulado Achados e Perdidos na Tradução, este episódio foge a regra de todas as séries Power Rangers. Nele não há inimigos para os heróis enfrentarem. O robô não participa da batalha que define o destino do monstro. O que temos são os Rangers Conner, Ethan e Kira assistindo a versão japonesa de si próprios, os Bakuryuu Sentai Abaranger – em tradução direta, Esquadrão Dinossauros Explosivos Abaranger.

Cena da série Power Rangers: Dino Trovão
Os heróis assistindo sua versão japonesa
Hayley instala uma TV por satélite no quartel-general dos heróis com mais de 900 canais disponíveis, segundo Ethan. Enquanto zapeia, o rapaz descobre um episódio da série. “De acordo com o guia de programação, é um programa japonês sobre os famosos Power Rangers”, diz. Os três resolvem, por curiosidade, saber o que os orientais pensam deles e vão em frente com o programa.

“Estranho demais! Isto não tem nada a ver com a gente”, reclama Conner de início.

Interessante notar as diferenças culturais logo no começo do episódio. Um dos vilões no Japão é uma pequena garota, que supostamente está no comando do grupo. Tal fato não se repete nos Estados Unidos, onde em um programa familiar jamais representaria uma criança em tal posição. O mesmo ocorre no Brasil, onde mesmo em programas voltados ao público adulto – como ocorreu na novela Viver a Vida com a personagem de Klara Castanho – apenas a leve menção da possibilidade já gera críticas e acaba descartada pelos roteiristas.

Bakuryuu Sentai Abarangers
O original Bakuryuu Sentai Abarangers
O principal destaque fica por conta do debate que surge entre os três espectadores a respeito da série Power Rangers e dos Super Sentais:
- Qual é? É só um cara fantasiado! – exclama Conner diante o aparecimento de um bizarro vilão.
- Ninguém disse que era um documentário, use sua imaginação – responde Ethan.
- Será que alguém vai acreditar em uma combinação de urso, cogumelo, caixa eletrônico e monstro? – continua o Ranger Vermelho.
- Acha mais esquisito que os monstros que temos que enfrentar? – questiona Kira.

A resposta da garota é genial. Ela levanta uma questão importante sobre a série e rebate a acusação de que a produção seria violenta para crianças. Fica claro aqui que não há realidade nos Power Rangers, e não devem ser entendidos como tal. A série nada mais é do que um produto de entretenimento e o roteirista do episódio brinca com isso utilizando o recurso da metalinguagem.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Dino Trovão tem também outros pontos altos, ainda não mencionados aqui. No 4º episódio – o número 500 da franquia, chamado de Legado do Poder –, Dr. Oliver é sequestrado por Mesagog. Os demais Rangers, auxiliados por Hayley, em busca de seu líder, assistem um vídeo deixado por ele, no qual reconta toda a história dos Power Rangers até então. Uma recapitulação de deixar qualquer fã entusiasmado.

Em relação ao 19º capítulo, podemos afirmar que há uma inversão de papéis. O correto é afirmar que o Dino Trovão foi baseado nos Abaranger, e não o contrário. Para causar polêmica, é possível dizer que o feito demonstra mais uma vez a vontade dos Estados Unidos em se mostrar dominante diante de tudo, chegando até – porque não – se considerar criador dos Super Sentai.

Junto a isso ainda existe a polêmica de que a criação dos Power Rangers, e sua consequente chegada ao Brasil, impossibilitou a TV nacional de exibir novos programas japoneses, que reinavam aqui nas décadas anteriores. Apenas Patrine, Winspector, Kamen Rider Black RX, Solbrain, Ultraman Tiga e Ryukendo tiveram chance no país após a série estadunidense.

Cena da série Power Rangers: Dino TrovãoExcetuando tais provocações, Achados e Perdidos na Tradução é um interessante episódio da série, justamente por quebrar a regra de: inimigo aparece, heróis o derrotam, ele vira um monstro gigante, eles convocam o robô e o explodem. E ainda nos leva a conhecer a série original, que no final das contas nos revela uma cultura japonesa não muito diferente da estadunidense, pelo menos tem como base as duas franquias.

Para finalizar, o título desta Observação é o mesmo dado por Conner em seu trabalho de análise comparativa entre a versão do seu grupo com a nipônica no final do episódio. Uma ideia que poderia ter sido usada aqui, mas creio que a intenção tenha sido semelhante para ambos, por isso a homenagem.

Confira a abertura da série:

POWER RANGERS: DINO TROVÃO
Nome original: Power Rangers: Dino Thunder
Produção: BVS Entertainment
Episódios: 38 (aproximadamente, 30 minutos cada)
Ano de exibição: 2004 (Estados Unidos | ABC Family, Toon Disney, ABC) e 2005-2011 (Brasil | Jetix, Rede Globo e Bandeirantes)
Direção: Charlie Haskell, Andrew Merrifield, Paul Grinder e Britta Johnstone
Baseado na 27ª série do gênero Super Sentai Bakuryuu Sentai Abaranger (produzida pela Toei Company)

3 comentários:

  1. Power Ranger é um simbolo onde o capitalismo age em sua forma mais cruel, não pensando em qualidade e sim em como ganhar muito sem gastar. Começou na Saban, foi para a Disney e recentemente voltou para a Saban ( penultima serie Power Ranger Samurai já passou marcou a reestreia na SABAN)Vejo esse episodio como uma grande "soberba" que a Disney tira dos próprios Japoneses. Power Ranger me fez detestar os Tokusatsu cuja a raiva só se acalmou no fantástico Kamen Rider Blade e obras maravilhosas no J-Drama como Battle Royale e GTO Live Action

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu bom amigo (e cada vez mais fiel as atualizações do blog), concordo plenamente contigo. Honestamente, não sou fã de Power Rangers, acho os roteiros muito ruins e as atuações piores ainda. Também não sou fã do Super Sentai original, não gosta da repetição da história a cada episódio (fato que me faz desgostar também de várias outras séries estadunidenses.

      Mas, cara, meus filhos adoram. Vou fazer o que? rs. Esse texto foi uma homenagem a eles. Embora eu confesse que gostei bastante da ideia do episódio, justamente por se diferente dos demais.

      Das obras que falou, só conheço (assisti e adorei) Battle Royale. Conhece Azumi ou Cashern? Acho que ia curtir também. Abraços (ah, e aguardo imensamente seu futuro blog!).

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...