Apenas uma vez | Quando tudo gira em torno das canções

Capa do filme Apenas uma vez (Once)
Em muitos casos, a trilha sonora é parte importante em um filme; em outros é essencial, como é o caso dos musicais. Em APENAS UMA VEZ é a música quem carrega a história ao longo de seus 86 minutos de duração. Através dela somos apresentados a duas pessoas distintas em relação as suas vidas, mas motivadas pela mesma paixão.

Escrito e dirigido pelo irlandês John Carney, o filme independente mostra uma forma interessante de trabalhar a música em um longa-metragem, não necessariamente ela sendo alheia ao filme ou como um musical.

Esta Observação lhe mostrará como isto acontece.

PELAS RUAS DE DUBLIN

Um homem sozinho toca para o público durante uma tarde qualquer nas ruas da capital irlandesa. As músicas são velhas conhecidas da população em geral, tudo porque “de dia, as pessoas querem ouvir canções que elas já conhecem”. Suas músicas, em particular, ficam reservadas para as noites.

Uma vendedora de revistas aparece quando já está escuro e começa a questioná-lo quanto ao teor de suas músicas naquele período do dia. Ela descobre que, para se sustentar, ele trabalha com o pai em uma loja que conserta aspiradores de pó. Não obstante, ela tem justamente um aspirador de pó quebrado em casa e aproveita a oportunidade para pedir-lhe que arrume.

Cena do filme Apenas uma vez (Once)O encontro fica para o dia seguinte. Dia em que a vendedora de revistas – e também flores, como será descoberto mais tarde – levará seu aspirador de pó para lá e para cá atrás de cantor das tardes e noites. Eis que ela irá mostra-lhe um lado que ele até então não havia visto: ela é fã de música e toca piano como hobby – gosto ensinado pelo pai falecido – em uma loja de música de um conhecido.

Ele a leva até a loja de seu pai, local onde também moram. Após o conserto – que ela insiste tanto em pagar até que o progenitor de novo amigo/colega cobra-lhe quatro euros –, ele a leva até seu quarto. Um daqueles recheados de pôsteres e instrumentos musicais, além de algumas pilhas de CDs. Por fim, pergunta-lhe se ela não quer por lá ficar. A resposta é um não e uma porta fechada na cara.

O tempo aqui aparenta não ser definido, mas ao que parece ser o dia seguinte, ele a procura nas mesmas ruas onde haviam se conhecido. Desculpas vêm – junto com uma nova cantada é claro: “você é linda e eu estou sozinho” – e um novo convite vem à tona. Mas desta vez quem o faz é ela, mas ao chegar ao prédio da bela moça somos surpreendidos por dois novos personagens: sua mãe e sua filha.

Ao fim da noite, ele leva a pequenina até a cama, meio que em tom paternal. O casal vai até a escada de entrada do prédio, conversa sobre assuntos em comum, principalmente música. Ele lhe empresa seu CD Player, uma melodia – ainda sem uma letra – e um terceiro convite: encontrar uma letra para a melodia.

Cena do filme Apenas uma vez (Once)As pilhas que estavam no CD estavam ruins e sem encontrar outras no controle remoto de casa, ela parte rumo ao mercadinho no meio da madrugada, vestindo um roupão de dormir sob um pijama. Finalmente ouvimos a tal melodia que ele a deixara, mas agora acompanhada da triste letra que ela criou e a interpretação na sua própria voz, enquanto retorna a sua residência.

No que pode ser o dia seguinte, ele a informa de sua intenção de retornar à Londres – cidade onde morava com sua ex-namorada antes que sua mãe morresse. Antes, entretanto, pretende gravar um CD com as músicas que escreveu no período e a convida para ajudá-lo. Os próximos passos são convencer uma banda também de rua a tocar com eles, conseguir financiamento de uma gravadora e alugar um estúdio. Nada impossível graças ao talento da bela garota em conversar com as pessoas.

A gravação é tão intensa que dia e noite viram um só, visível apenas na face cansada dos músicos e do editor de som – antes desacreditado daquela estranha banda, agora convencido da força daquelas canções. Ao fim do final de semana, ele tem os CDs gravados nas mãos e sente que sua parceira musical está estranha. Ao questioná-la descobre que em uma das pausas ela ligou para seu ex-marido e pediu a reconciliação.

Ao fim de tudo, ele a pede uma manhã. Ela diz que seriam apenas ‘brincadeiras’. Embora considerem algo que não resultará em nada, concordam em se encontrar na próxima noite. Mas eles nunca mais se verão. Um parte deixando uma piano para quem não conseguiria pagar um e outro deixa um sorriso na janela, provavelmente perdido em lembranças.

O ELO DO FILME

O texto acima faz a brincadeira de narrar o filme sob a óptica dos supostos dois protagonistas, mas ela parece apenas singela sem o verdadeiro ponto central de tudo: a música.

Caso tenha interesse em reler, ou tenha boa memória – ou tenha assistido ao filme, claro! – notará que as canções entremeiam o longa-metragem. Por exemplo, é a música quem os leva a se conhecerem no começo de tudo e será o amor por ela que os manterão juntos até a vida os separar.

Cena do filme Apenas uma vez (Once)
Curioso também o quanto a música é importante para suas histórias. Ambos escrevem suas letras tendo em mente o relacionamento anterior, que terminaram de maneira triste. Enquanto a ex-namorada dele o traiu, o ex-marido dela não gostou de uma música feita especialmente para ele.

A música, entretanto, os fará retomar o caminho de suas vidas, mesmo que não seja um ao lado do outro. A ex-namorada dele fica feliz em saber que ele gravou um CD, ao passo que o ex – e agora de novo marido – dela mostra-se contente ao vê-la tocar no piano que ganhou.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A interação da música com a história é tanta em Apenas Uma Vez que ao final do filme é fácil a sensação de não perceber sequer que o nome dos protagonistas não é nenhum momento falado. A verdade é que pouco sabemos sobre eles. Reveja e pontue:

Cara: é irlandês, tem uma ex-namorada em Londres, seu pai é dono de uma loja que conserta aspiradores de pó e gosta de tocar nas ruas à tarde (cantando músicas famosas, de outros artistas) e à noite (canções próprias).

Cena do filme Apenas uma vez (Once)Moça: é tcheca, casou com um cara mais velho, tem uma filha chamada Ivonka, mora com a mãe (que aparentemente não trabalha) em um subúrbio, trabalha vendendo flores e revistas e tem como hobby tocar piano (ensinada pelo pai) em uma loja durante seu horário de almoço.

Não há muita informação além destas. E não há necessidade, porque a história a que o filme se propõe a nos contar – ou cantar – é apenas sobre aquela vez, apenas uma vez. O título brinca com essa ideia e expõe a pergunta “com que frequência você encontra a pessoa certa?”. Questão que se faz correta em um filme tão intenso e com músicas tão sensíveis.

Cena do filme Apenas uma vez (Once)
Outro ponto que vale a menção é que apesar de nenhum dos protagonistas serem atores de fato a interpretação soa muito natural. Afinal a trilha sonora foi totalmente composta por Glen Hansard, o tal ‘cara’ da história, por assim dizer. E a moça acabou virando sua parceira musical na vida real também, tamanha a sintonia que conseguiram no longa.

APENAS UMA VEZ
Título original: Once
Estúdio: Independente
País de origem: Irlanda
Ano de lançamento: 2006
Elenco: Glen Hansard (Cara) e Markéta Irglová (Moça)
Roteiro: John Carney
Diretor: John Carney

                                                          Confira o trailer do filme:

6 comentários:

  1. Já somos amigos no Dihitt e venho convidar você a conhecer o nosso novo Agregador de Links da web http://nabocadosapo.com que sou administrador.
    Venha participar e aumente suas visitas aqui não se exige muito de você, basta preencher o formulário e em seguida postaremos o seu link.
    Não deixe de visitar a seção “Parceiros” - http://nabocadosapo.com/parceria e aumente suas visitas. Confira as vantagens.
    Na Boca do Sapo – Mais visitas para a sua página
    Desde já agradecemos por sua atenção!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, parceiro. Agradeço a visita, mas não busco um aumento excessivo de visitas no blog no momento. Escrevo apenas para gerar conteúdo na net, seja ele lido ou não. Meus textos também não são criados para serem lidos de imediato, mas para caírem nas pesquisas do Google ou do Bing para interessados nos diversos assuntos que abordo. Abraço.

      Excluir
  2. Olá, eu assisti esse filme e achei tocante, senti que ele fala de relacionamentos, de solidariedade, e principalmente de perdão, a trilha sonora é realmente maravilhosa, que foi no princípio o que me chamou atenção para o filme, e foi uma grata surpresa descobrir essa história que toca e fala de como as pessoas podem mudar nossas vidas! Gostei muito das suas observações!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Comunidade São Geraldo Magela! Realmente é um filme para tocar e fico muito feliz em encontrar mais uma pessoa que gosta tanto quanto eu dele. Muito obrigado pelo elogio ao texto também, espero que possa retornar em outras ocasiões e opinar sobre os demais. Abraços!

      Excluir
  3. bom dia !
    Estou a a procura deste filme ``Once´´ vc pode me dizer como posso assistir?
    Desde ja AGRADECO.
    zeliacardoso12@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zelia, o filme está disponível no Netflix e também tem para comprar no Submarino (deve ter em outros sites também, mas só procurei nesse). Aqui só indico como encontrar os filmes originais, se quer assistir pela internet não posso ajudar. Abraços!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...